Nova regulamentação europeia de Auditoria

30 05 2014

Foram publicados no dia 27 de Maio os instrumentos que consubstanciam a nova regulamentação europeia de Auditoria:

  • Regulamento (UE) n.º 537/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de abril de 2014, relativo aos requisitos específicos para a revisão legal de contas das entidades de interesse público e que revoga a Decisão 2008/909/CE da Comissão
  • Diretiva 2014/56/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de abril de 2014, que altera a Diretiva 2006/43/CE relativa à revisão legal das contas anuais e consolidadas.

Os quais podem ser consultadas aqui.

A OROC – Ordem dos Revisores Oficiais de Contas disponibiliza um resumo destacando as principais questões, que pode ser consultado aqui.

Anúncios




Acordo sobre a reforma do sector da Auditoria na União Europeia

17 12 2013

Commissioner Michel Barnier welcomes provisional agreement in trilogue on the reform of the audit sector

I welcome the agreement reached this morning between the European Parliament and EU Member States on the reform of the audit sector. This is a first step towards increasing audit quality and re-establishing investor confidence in financial information, an essential ingredient for investment and economic growth in Europe.

Although less ambitious than initially proposed by the Commission, landmark measures to strengthen the independence of auditors have been endorsed, particularly in the auditing of financial institutions and listed companies. This will ensure that auditors will be key contributors to economic and financial stability.

With the agreement, audit firms will be required to rotate every 10 years. Public interest entities will only be able to extend the audit tenure once, upon tender. Under this measure, joint audit will also be encouraged. Despite the extension of the rotation period, this principle will have a major impact in reducing excessive familiarity between the auditors and their clients and in enhancing professional scepticism.

The new rules also provide innovative tools to limit the risk of conflict of interest. To avoid the risk of self-review, several non-audit services are prohibited under a strict ‘black list’, including stringent limits on tax advice and on services linked to the financial and investment strategy of the audit client. In addition, a cap on the provision of non-audit services is introduced.

Taken together, the agreed measures will considerably strengthen audit quality across the European Union. In this regard, I particularly welcome the agreement on the harmonisation of the international standards on auditing (ISAs).

On the cooperation between audit supervisory authorities, I regret that ESMA has not been endorsed as the core structure for coordination but I am pleased that it has been granted an initial mandate on international cooperation.

I congratulate the European Parliament, in particular the Rapporteurs Sajjad Karim and Kay Swinburne and the shadow Rapporteurs the Council, and successive EU Presidencies (Denmark, Cyprus, Ireland and Lithuania) for this major achievement.

It is now high time for auditors to meet the challenges of their role – a societal role.

I trust that once final details are reflected in the text and formally endorsed by the College, co-legislators will also approve the text in coming weeks.

Background

The financial crisis highlighted serious shortcomings in the stability of the EU economic and financial system. Auditors play an important societal role by providing stakeholders with an accurate reflection of the veracity of company’s financial statements. However, a number of banks were given clean bills of health despite huge losses from 2007 onwards. In relation to the real economy, inspection reports from the Member States revealed lack of professional scepticism by auditors, misstatements and a lack of fresh thinking in the audits of major companies because of the average long-lasting relationship between the auditor and their clients.

Taken all together, the agreed measures ensure that auditors will be key contributors to economic and financial stability through increased audit quality, stronger independence requirements and more open and dynamic EU audit markets.

The key elements of the new rules include:

1. A clarified societal role for auditors

– Increased audit quality: In order to reduce the ‘expectation gap’ between what is expected from auditors and what they are bound to deliver, the new rules will require auditors to produce more detailed and informative audit reports, with a required focus on relevant information to investors.

– Enhanced transparency: Strict transparency requirements will be introduced for auditors with stronger reporting obligations vis-à-vis supervisors. Increased communication between auditors and the audit committee of an audited entity is requested.

– Better accountability: The work of auditors will be closely supervised by audit committees, whose competences are strengthened. In addition, the package introduces the possibility for 5% of the shareholders of the company to initiate actions to dismiss the auditors. A set of administrative sanctions that can be applied by the competent authorities is also foreseen for breaches of the new rules.

2. A strong independence regime

– Mandatory rotation of audit firms: Audit firms will be required to rotate after an engagement period of 10 years. After maximum 10 years, the period can be extended by up to 10 additional years if tenders are carried out, and by up to 14 additional years in case of joint audit, i.e. if the company being audited appoints more than one audit firm to carry out its audit. A calibrated transitional period taking into account the duration of the audit engagement is foreseen to avoid a cliff effect following the entry into force of the new rules.

– Prohibition of certain non-audit services: Audit firms will be strictly prohibited from providing non-audit services to their audit clients, including stringent limits on tax advice and services linked to the financial and investment strategy of the audit client. This aims to limit risk of conflicts of interest, when auditors are involved in decisions impacting the management of a company. This will also substantially limit the ‘self-review’ risks for auditors.

– Cap on the provision of non-audit services: To reduce the risks of conflicts of interest, the new rules will introduce a cap of 70% on the fees generated for non-audit services others than those prohibited based on a three-year average at the group level.

3. A more dynamic and competitive EU audit market

– A Single Market for statutory audit: The new rules will provide a level playing field for auditors at EU level through enhanced cross-border mobility and the harmonisation of International Standards on Auditing (ISAs).

– More choice: In order to promote competition, the new rules prohibit restrictive ‘Big Four only’ third party clauses imposed on companies. Incentives for joint audit and tendering will be introduced, and a proportionate application of the rules will be applied to avoid extra burden for small and mid-tier audit firms. Tools to monitor the concentration of the audit market will be reinforced.

– Enhanced supervision of the audit sector: Cooperation between national supervisors will be enhanced at EU level, with a specific role devoted to the European Markets and Securities Authority (ESMA) with regard to international cooperation on audit oversight.

The political agreement reached this morning is subject to technical finalisation and formal approval by the co-legislators.

For more information

http://ec.europa.eu/internal_market/auditing/reform/

(Press Release da Comissão Europeia)





Avaliação da comparabilidade na aplicação de regras contabilísticas pelas instituições financeiras europeias

22 11 2013

Foi recentemente divulgado o relatório da ESMA (“European Securities and Markets Authority”) de avaliação da comparabilidade a nível da aplicação das regras contabilísticas pelas instituições financeiras europeias em 2012, com base numa amostra das Demonstrações financeiras de 39 das principais instituições financeiras, de cujas conclusões se destacam:

Overall ESMA found that disclosures specifically covered by requirements of IFRS 7 – Financial Instruments: Disclosures were generally provided and acknowledges the efforts made by financial institutions to improve the quality of their financial statements. Yet, ESMA observed a wide variability in the quality of the information provided and identified some cases where the information provided was not sufficient or not sufficiently structured to allow comparability among financial institutions. Some financial institutions provided disclosures that were not specific enough, lacked links between quantitative and narrative information, or provided disclosures that could not be reconciled to the primary financial statements. ESMA urges issuers to take a step back and consider the overall objectives of IFRS 7 against their specific circumstances when preparing disclosures. […]

As a result of this review, ESMA believes quality and comparability of IFRS financial statements could be enhanced in relation to some aspects as provided below. […]

ESMA expects financial institutions and their auditors to consider the findings of this review when preparing and auditing the IFRS financial statements.





Lei Orgânica do Banco de Portugal

23 10 2013

O Decreto-Lei n.º 142/2013, de 18 de Outubro, procede a alterações da Lei Orgânica do Banco de Portugal, republicando, em anexo, a redacção actual da Lei Orgânica do Banco de Portugal, aprovada pela Lei n.º 5/98, de 31 de Janeiro.





Directiva 2013/34/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de Junho de 2013

16 10 2013

Foi publicada, em 26 de Junho de 2013, a Directiva 2013/34/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, relativa às demonstrações financeiras anuais, às demonstrações financeiras consolidadas e aos relatórios conexos de certas formas de empresas,  alterando a Directiva 2006/43/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, e revogando as Directivas 78/660/CEE e 83/349/CEE do Conselho. Esta nova Directiva deverá ser transposta para a ordem jurídica nacional até meados de 2015, em princípio para entrada em vigor a partir de 2016.

Em termos gerais, trata-se de um instrumento que resulta numa desarmonização, uma vez que proporciona a cada Estado-membro a adopção de diferentes opções. Por outro lado, dada a definição de limites a nível europeu (e numa “escala europeia”), as empresas portuguesas vão ser classificadas, em larguíssima medida (mais de 95%), na categoria de “micro-empresas” e/ou “pequenas empresas”, com incidência nomeadamente a nível dos requisitos de divulgação, que serão bastante mais reduzidos:

  • Microempresas – a) Total do balanço: 350 000 EUR; b) Volume de negócios líquido: 700 000 EUR; c) Número médio de empregados durante o período: 10
  • Pequenas empresas – a) Total do balanço: 4 000 000 EUR; b) Volume de negócios líquido: 8 000 000 EUR; c) Número médio de empregados durante o período: 50
  • Médias empresas – a) Total do balanço: 20 000 000 EUR; b) Volume de negócios líquido: 40 000 000 EUR; c) Número médio de empregados durante o período: 250
  • Grandes empresas – a) Total do balanço: > 20 000 000 EUR; b) Volume de negócios líquido: > 40 000 000 EUR; c) Número médio de empregados durante o período: > 250.

Constata-se também um desalinhamento face ao IASB (depois do esforço que tinha sido feito, em particular com a adopção do SNC, para procurar uma convergência face a um referencial internacional).

São definidos como princípios gerais de relato financeiro: Continuidade, Consistência, Prudência, Acréscimo, Correspondência (dos comparativos, face à informação constante das contas do ano anterior), Valorização separada (de Activos e Passivos), Não Compensação, Substância (por opção de cada Estados-membro), Custo Histórico (com excepções admitidas, nomeadamente nos Activos Fixos e no Justo Valor para Instrumentos financeiros), Materialidade.

O Balanço poderá ter uma estrutura vertical ou horizontal (com distinção entre Activo Fixo, Activo corrente, Acréscimos e diferimentos, Provisões, Dívidas e Capital e reservas). Algumas notas particulares:

  • Activos intangíveis – Amortizados durante a vida útil. Estados-membros podem prever um período de vida útil para amortização de Trespasses e Despesas de desenvolvimento, para os casos em que a vida útil não possa ser estimada com fiabilidade (que deverá ser entre 5 e 10 anos);
  • Despesas de constituição – Podem ser reconhecidas como Activos intangíveis se os Estados-membros o autorizarem, com um prazo máximo de amortização de 5 anos;
  • Capital subscrito e não realizado – Reconhecido no Activo;
  • Participações – Pode ser autorizado ou exigido por cada Estado-membro a utilização do Método de Equivalência Patrimonial na valorização de participações financeiras;
  • Lucros não distribuídos – Devem ser reconhecidos numa conta de Reservas não distribuíveis aos accionistas.

A nível da Demonstração dos resultados, cada Estado-membro poderá exigir a apresentação de uma ou de ambas: Demonstração dos resultados por naturezas ou Demonstração dos resultados por funções.

Prevê-se uma simplificação para as “pequenas” e para as “médias” empresas (o Estado-membro pode autorizar Balanço sintético para “pequenas” empresas), e Demonstração dos resultados sintética para as “pequenas” e para as “médias” empresas.

Em termos de divulgações, são restringidas as divulgações obrigatórias para as “pequenas” empresas:

  • Políticas contabilísticas
  • Revalorizações
  • Justo Valor
  • Compromissos, Garantias e Contingências

Os Estados-membros poderão vir ainda a dispensar as “micro-empresas” das seguintes obrigações:

  • Apresentação de Acréscimos e diferimentos (rubricas de menor relevância)
  • Elaboração de Notas às Demonstrações Financeiras
  • Elaboração de Relatório de Gestão
  • Publicação das Demonstrações Financeiras (!)

No que respeita à Revisão de Contas, os Estados-membros deverão assegurar que as Entidades de Interesse Público e as “Médias” e as “Grandes” empresas sejam objecto de fiscalização por um ou mais ROC/SROC. Para as restantes entidades, cada Estado-membro decidirá se / quais as empresas (de menor dimensão) que serão obrigadas ou não a dispor de ROC.

Por outro lado, as “Grandes” empresas e as Entidades de Interesse Público terão de publicar anualmente um relatório sobre os pagamentos que realizem a favor de entidades públicas.





“Supervisão não substitui os princípios da ética”

15 09 2013

Presidente da CMVM faz o balanço dos cinco anos que passaram depois da falência da Lehman Brothers.

Em que circunstâncias recebeu a notícia da falência do Lehman Brothers e o que pensou então que seriam as consequências desse facto?
A falência do Lehman Brothers surgiu no meio de um turbilhão de notícias sobre problemas de grande dimensão em instituições e mercados financeiros diversos. A notícia eclodiu depois de largos meses em que muito se falou da crise do subprime nos EUA e apenas surpreendeu pelo desfecho tão radical, decidido em poucos dias. Tinha havido sinais bastantes de que o excesso de crédito/dívida teria consequências nefastas. Admito que, num primeiro momento, não houve plena consciência de todas as implicações e do contágio global que acabou por ter. Mas pensei sempre que estes aspectos negativos tivessem alguma contrapartida na pressão que colocaria não só sobre os legisladores e reguladores, no sentido de reformar profunda e urgentemente o quadro regulatório mas, acima de tudo, sobre a organização e o comportamento das instituições financeiras.

Na sequência desses tempos, houve uma “ofensiva retórica” acerca da ausência de regras para a banca de investimento. Como está, hoje em dia, a regulação financeira, comparativamente ao que sucedia na altura?
Houve uma reflexão profunda sobre as causas da crise, que conduziu a um forte consenso sobre as mudanças necessárias na regulação financeira. Essas reformas não se limitam ao sector da banca de investimentos, abrangem áreas de todo o sistema financeiro. Com o tempo, o ímpeto regulatório inicial foi, de algum modo, mitigado e as reformas acabaram por ser mais lentas e, em alguns casos, menos profundas do que o esperado. E a verdade é que, cinco anos volvidos, ainda subsiste parte substancial do quadro regulatório de então, apesar da intensa actividade legislativa em curso e de vários instrumentos regulatórios já aprovados, mas ainda com efeitos práticos limitados. Penso que há muito para fazer para que tenhamos – como foi assumido há cinco anos – mercados mais transparentes, instituições mais simples, produtos financeiros menos complexos e uma regulação harmonizada entre sectores, mercados e instituições.

Desde a falência do Lehman, temos assistido a inúmeros escândalos no sector financeiro internacional. Concorda com a visão de que o sector não aprendeu suficientemente as lições trazidas por esse momento simbólico da queda de um gigante?
Quer os referidos casos, quer os indícios sobre o comportamento recente de agressiva tomada de riscos – induzido por um período prolongado de muito baixas taxas de juro e de liquidez abundante – fazem recear que as lições do passado não tenham sido totalmente aprendidas. Voltamos a assistir a um alívio dos critérios de avaliação de riscos e da segurança na selecção dos investimentos. Voltamos a observar comportamentos dos preços de alguns activos que os afastam dos fundamentos económicos. Continuamos a assistir a um grau de alavancagem dos agentes económicos (públicos e privados) que persiste em níveis muito elevados (em muitos casos tem mesmo aumentado) e coloca dúvidas legítimas quanto à sua sustentabilidade.

Continuamos a constatar fragilidades nos modelos de governação de algumas instituições financeiras, desde o funcionamento dos controlos internos aos sistemas de remuneração dos respectivos gestores e quadros.

É verdade que a consciência e o escrutínio destas situações são hoje muito maiores e que a supervisão é mais forte. Mas isso não substitui a mais importante de todas as reformas: a dos valores e dos comportamentos das instituições financeiras e de todos os participantes nos mercados.

E para si, que ensinamento ficou desse acontecimento?
Um primeiro ensinamento é que, sendo as reformas regulatórias indispensáveis, mais importante é ter uma supervisão forte e dotada dos meios adequados. E um sistema de sancionamento das infracções que seja eficaz, rápido e suficientemente dissuasor.

Mas há outra lição que todos deviam retirar: o controlo e a prevenção dos riscos têm de começar dentro das próprias instituições financeiras, onde todos os mecanismos instalados têm de funcionar: a auditoria interna, os órgãos de fiscalização, os administradores independentes e os auditores externos. Uma supervisão eficaz pressupõe que todos estes níveis de controlo exercem com independência, competência e diligência o seu papel. E isso não se verificou no período que conduziu à actual crise financeira e, em meu entender, não tem havido uma responsabilização efectiva das entidades envolvidas, tendo-se preferido o caminho mais fácil da culpabilização das agências de rating.

Porventura a maior de todas as lições será a de que nenhuma regulação ou supervisão pode substituir a observância dos princípios da ética nos negócios e o regresso aos valores tradicionais da banca do rigor, da verdade e da prioridade do interesse dos clientes. Uma mudança de comportamento das instituições financeiras na avaliação de riscos, no respeito pelo interesse dos clientes e no escrupuloso cumprimento dos deveres fiduciários perante os accionistas é a melhor receita para limitar os riscos de uma nova crise como a que ainda vivemos e cujo fim não é ainda possível antecipar.

(Entrevista ao Presidente da CMVM, Carlos Tavares – Económico)





Lei-quadro das entidades administrativas independentes com funções de regulação da atividade económica dos setores privado, público e cooperativo

3 09 2013

Foi publicado em Diário da República, de 28 de Agosto de 2013, a Lei n.º 67/2013, “Lei-quadro das entidades administrativas independentes com funções de regulação da atividade económica dos setores privado, público e cooperativo“, relativa nomeadamente às seguintes entidades reguladoras:

  • Instituto de Seguros de Portugal
  • Comissão do Mercado de Valores Mobiliários